Scrum Master novo em um time em estágio Performing

Scrum Master novo em um time em estágio Performing

Imagine-se como novo Scrum Master em um time com dois anos de formação. A equipe é reconhecida como altamente inovadora e possuidora de uma alta maturidade ágil. É sabido que grande parte dos membros desse time vivenciaram larga experiência atuando de forma ágil e auto-organizada. Percebe-se claramente que o time encontra-se no estado de performing baseado na curva de Tucman. Pois bem, esse cenário trata-se de uma experiência que vivi recentemente e quero de compartilhar com vocês.

On Boarding de um Scrum Master em um time em performing

Para cada estágio da curva de Tucman percebido em uma equipe, sugere-se um formato de atuação de um Scrum Master. Especialmente tratando-se de um time em performing, a auto-organização já é status quo e já existem lideranças estabelecidas na equipe.

Nesse caso entendo que uma estratégia interessante de onboarding do Scrum Master trata-se de priorizar o lado “servidor” do “líder servidor”. Com essa abordagem o Scrum Master terá tempo para ir conhecendo a equipe enquanto vai adquirindo a confiança, aceitação e o reconhecimento dos membros. Utilizei essa abordagem e gostei bastante do resultado, promovi algumas ações de team building nesse início e foram muito bem aceitas.

O Scrum Master deve manter um olho no peixe e outro no gato

Devemos lembrar sempre que, no momento em que um novo membro entra em um time, a equipe pode alternar entre etapas da curva de Tucman. No evento da chegada de um novo Scrum Master isso pode ocorrer, e ele deve estar atendo para a qualquer sinal de mudança de estado, mudar a estratégia.

Filosofia Kaisen

A filosofia Kaisen parte de uma crença de que tudo pode ser melhorado. Eu levo isso sempre comigo, acredito que nem um time está tão bom que não pode ser melhorado. Dessa forma o grande desafio passa a ser identificar o estado atual a melhorar, descobrir onde queremos chegar e planejar gradativamente como chegar até o estado desejado. É claramente uma mistura de coaching com filosofia Kaisen que nos remete a memoriável sentença: “Hoje melhor do que ontem, amanhã melhor do que hoje”.

Para identificar pontos a melhorar é necessário entender o todo, mas também se aprofundar em pontos específicos. Pode ser que o time possua uma ótima maturidade de processos ágeis, porém ainda tem um caminho a trilhar com relação à boas práticas de engenharia de software, nesse caso esse pode ser o caminho a começar. Por outro lado o time pode seguir boas práticas de engenharia de software, porém está trabalhando com grandes lotes e a consequentemente a estratégia de entrega contínua ficará prejudicada. Em suma, sempre existe oportunidade de melhoria o importante é conseguir identificar qual é a prioritária e buscar as ações de solução de forma colaborativa.

Quem somos? Onde estamos? Para onde Vamos?

Essas são questões de extrema importância para um Scrum Master novo em uma equipe com um  bom tempo de formação. Possui grande valor entender a identidade desse grupo, quais suas motivações, quais seus anseios. Apenas quando temos consciência de quem somos, onde estamos e onde desejamos chegar, podemos alinhar os esforços e imprimir toda a energia para atingir o objetivo de nossa equipe.

Retrospectivas são um ótimo campo de atuação. Nesses momentos é possível parar o time e refletir sobre nossos propósitos individuais e de time e onde queremos chegar. Seguem algumas dinâmicas que tenho utilizado com esse propósito:

  • Mooving Motivators
  • Personal Maps
  • Definindo o nirvana
  • Hot Air Baloon
  • Catapulta
  • Liberating Structures

Possíveis resistências

Tenha estratégias para manter viva a filosofia de melhoria contínua. Times consolidados já testaram muitas abordagens, podem ser resistentes a mudanças semelhantes ao que já foi testado anteriormente. Vale a pena lembrar que ações semelhantes em contextos diferentes podem gerar resultados bem diferentes. Fique atendo sempre a frases do tipo:

  • Já tentamos essa abordagem e não deu certo;
  • Aqui não funciona assim;
  • Sempre fizemos dessa forma e sempre funcionou.

Tenha sempre na manga dinâmicas e material sobre melhoria contínua e mindset de crescimento: Seguem dois vídeos:

Lembre se que um time é um organismo vivo, complexo nesse contexto as teorias e as práticas de management 3.0 se enquadram muito bem.

Crie um ambiente propício à disseminação ágil

Lembre que o performing não é apenas performar bem, mas também ser modelo, disseminar conhecimentos e agilidade pela organização.

A primeira constatação que percebi nessa equipe é que sempre estávamos dispostos a pilotar na empresa melhorias, sejam relacionadas a processos ou relacionadas a novas tecnologias, independente do ônus que teríamos. Ficou claro de que isso fazia parte do DNA da equipe e a própria dinâmica de Moving motivators refletia esse fato.

Devido a isso, muitos padrões de arquitetura e tecnologia utilizados na empresa passaram por uma fase embrionária nesse time.

Não tenha medo de errar

Essa foi uma das maiores lições aprendidas nesse time. Sim, um Scrum Master pode errar em um time maduro. Essa equipe entende muito bem os valores da agilidade, se você errou, você teve coragem para buscar algo novo. Caso o time identifique que você errou com coragem, o time entende muito bem outro valor que é a transparência e o próprio time irá indicar que você errou e cabe a você ter a humildade e o mindset de crescimento para saber que você também deve buscar se transformar.

O que aprendi como um Scrum Master em um time em Performing

Todas as minhas experiências anteriores tratavam-se da atuação em um time em formação ou um time com pouca experiência em auto-organização. Dessa forma esse momento tem sido uma vivência ímpar.

Existem uma afirmação utilizada no management 3.0 que diz que tudo no universo se auto-organiza quando você delimita as restrições. Porém, o que aprendi nesse time é que, uma vez que um time é auto-organizado e possui um propósito, ele não se limita as restrições.

Caso essas barreiras estejam colocadas diante aquilo que a equipe acredite, um time auto-organizado e que sabe onde quer chegar encontrará os meios para cumprir sua missão e sobrepor as barreiras impostas.

Um time que encontra-se em performing possui um propósito muito forte, busque conhecer o quanto antes esse propósito e se alinhar a ele. Busque sempre que possível lembrar o time do seu propósito e de celebrar as conquistas que estejam alinhadas com o mesmo.

English EN Portuguese PT Spanish ES
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *